domingo, 28 de fevereiro de 2016

Bariloche em junho ou setembro, será possível ver neve?

Boa noite, depois de muitos dias sem aparecer, voltei! Por sorte já estou respondendo e tendo contato com muitos brasileiros que viajarão a Bariloche, principalmente no próximo inverno. 

A postagem de hoje é sobre um assunto que muitos estão me perguntando por email e que tem a ver o clima e a neve em Bariloche, um dos temas que mais geram incertezas pelos brasileiros que visitarão a cidade fora da alta temporada.

Quem tem acompanhado o blog, seguramente já deve ter lido vários comentários e postagens sobre o clima em Bariloche, mas com as constantes mudanças climáticas a nível mundial, está cada vez mais difícil determinar com atencedência o que irá acontecer em determinado período com o clima.

Como muitas pessoas já sabem, julho e agosto em Bariloche são os meses nos quais as atividades de neve deveriam estar funcionando com normalidade e quando existe o maior contato com a "branquinha", caso não ocorra nada de excepcional com o clima. Obviamente, neste período é quando mais ocorre movimento pela alta demanda de turistas na cidade, sendo julho a agosto considerados meses de alta temporada. Isso se nota claramente nos valores e tarifas quando se compra um pacote turístico. Vale lembrar que geralmente  no final de agosto os pacotes custam um pouco menos que no início deste mesmo mês, mas ainda sim sao mais caros que junho e agosto. Atentos também aos pacotes para o final de junho, os mesmos poderiam custar quase o mesmo que os de julho. Como sempre incentivo, pesquisem muito ao comprarem um pacote, hoje existem várias ferramentas na internet e páginas confiáveis, se nota cada vez mais que as pessoas estão  organizando independentemente a própria viagem. Tanto é que operadoras massivas como a CVC e Agaxtur nos últimos anos, cada vez mais tem trazido menos passageiros a Bariloche.

 Nos últimos dois anos, com o aumento da crise no Brasil, muitos brasileiros estão optando por vir a Bariloche em datas que são consideradas baixas ou médias temporadas, pagando um valor inferior ao que se paga quando se viaja em alta temporada.  Portanto, nos meses de junho e setembro (considerados baixa e/ou média temporada) aumentou um pouco a demanda de turistas brasileiros em Bariloche, mas ainda sim o movimento é bem menor que julho e agosto. Sem dúvidas, existe uma diferença de preço entre a alta e baixa temporada, mas quem vem em junho, setembro e até mesmo no início de outubro, sempre se pergunta: Já / ainda encontrarei neve neste mês?  Já / ainda poderei esquiar ou fazer atividades na neve?


Cerro Catedral em junho de 2015, as pistas de ski ainda nao funcionavam, mas dava para passear de teleférico e ter contato com a neve.


O “já” é aplicado para quem viajará em junho e o “ainda”, para quem virá em setembro. Mas o que geralmente tem ocorrido nestes meses, é um risco viajar nestes períodos e não ver neve? Entre viajar em junho ou setembro, o que seria melhor?

Para responder estas dúvidas, vamos resumir um pouco o que já tenho falado sobre o clima. Para começar, temos que analizar o que poderia acontecer em junho. Antes de comentar qualquer coisa, vale lembrar que as estações na Argentina são as mesmas que no Brasil, ou seja, se no dia 21 de junho começa o inverno aí no Brasil e aqui em Bariloche também.  Para quem viajará em junho, principalmente no início deste mês, deve considerar que estará vindo ainda no outono e isto significa que os fenômenos climáticos para que possam nevar apenas estão se iniciando. Teoricamente em maio a freqüência das chuvas aumenta e a temperatura cai, o que vai gerando e “preparando” as futuras nevadas. Já no final de maio existe uma grande possibilidade de cair as primeiras nevadas nas montanhas, e como sempre digo para quem reclama da chuva, se não chover não nevará, a chuva é necessária no processo, junto com a temperatura e a pressão do ar. Sendo assim, se tudo ocorrer com normalidade no início do mês de junho é quando deveria se iniciar o processo de acumular neve nas montanhas. Isso quer dizer que quem vem neste período poderá pegar algumas chuvas, nevadas, frio e até mesmo sol, mas principalmente no início deste mês dificilmente as estações invernais nas montanhas abrem ou funcionam plenamente. Isto ocorre porque em junho a neve que vai se acumulando geralmente ainda não é suficiente para preparar as pistas onde se realizam diferentes atividades: ski, ski bunda, etc. O que geralmente é possível realizar no início de junho seria subir no Cerro Catedral, passear de teleférico e brincar com a neve que já está se acumulando.  

Outros lugares para encontrar neve e  que normalmente iniciam as suas atividades em junho, antes da maioria, são as caminhadas do Espaço Neumeyer e da Roca Negra. Dependendo da quantidade de neve, também já seja possível fazer passeios em veículos de neve, mas o comum é que esta atividade ocorra depois da segunda quinzena de junho. Todas as empresas que organizam atividades na neve sempre esperam que no final de junho já seja possível abrir normalmente, mas a realidade é que é difícil prever o início de algumas atividades e a cada ano tem sido diferente, enfim tudo dependerá de como se comportará o clima e quais fenômenos naturais estão acontecendo (lembrando que neste ano está acontecendo o temido El Niño, que é um fenômeno climático cíclico que provoca alterações no clima a nível mundial).


Início das atividades do Neumeyer, junho de 2015


Portanto, se optar por viajar em junho, arrisque em vir mais para o final do mês, as chances de ter contato com as atividades de neve teoricamente sao maiores. Igualmente, quem viajará no início de junho, poderá desfrutar de muitos passeios tradicionais que são feitos durante todo o ano: Circuito Chico com campanário, Cerro Catedral para passear de teleférico, Tronador, San Martin de Los Andes pela Rota dos 7 Lagos, navegação a Isla Victoria e Bosque de Arrayanes, confeitaria giratória do Cerro Otto, cavalgadas, etc.

O que eu posso dizer para quem viajará em junho ou pensa em vir nesta época: Venham para aproveitar a maravilhosa paisagem da cidade e o clima de montanha e não se desespere tanto em ver a neve para não se frustrar e deixar de aproveitar outras coisas. Se realmente a sua prioridade só for se esbanjar na neve e fazer atividades na mesma, recomendo diretamnete  vir a Bariloche  em julho ou agosto, as chances sao maiores e os valores também, nao tem jeito. Se não desejar ou puder vir em alta temporada, talvez o melhor seria optar por viajar no início de setembro.

Por falar em setembro, vou tentar analizar e responder as dúvidas daquelas pessoas que desejam saber se neste mês ainda podem desfrutar da neve. Como no Brasil, nesta época o inverno está na reta final e se aproxima a primavera. Aqui na Patagônia, isto significa que aos poucos a temperatura e a luz solar vão aumentando progressivamente e as possibilidades de nevar com mais freqüência vão diminuindo. Igualmente em setembro,  a grande maioria das atividades de neve ainda funcionam, principalmente mais no ínicio deste mês. Isto ocorre porque as montanhas no mês se setembro ainda possuem neve acumulada que caíram anteriormente em julho e agosto, mesmo que a neve já acumulada comece a derreter aos poucos pelo aumento progressivo da temperatura. Em 2015, algumas pistas para esquiar no Cerro Catedral ficaram excepcionalmente abertas até o dia 12 de outubro, mas já em más condições para a prática do ski, o normal seria até os primeiros dias de outubro com poucas pistas funcionando.  


Cerro Catedral em 6 de setembro de 2015 (Foto: Catedral Alta Patagonia)


Vale esclarecer que com toda esta teoria sobre o clima, no final das contas quem manda e quem faz o que quer é a natureza.  Temos que aceitar que ao escolher a data da viagem para tentar ver a bendita neve caindo, é questão de sorte mesmo,  isso vale até mesmo para quem vem em julho e agosto.


Para finalizar esta postagem, vamos fazer um ranking dos períodos dos últimos anos  que mais tiveram neve:

1° lugar:  agosto
2° lugar: julho
3° lugar: início de setembro e final de junho
4° lugar:  final de setembro
5° lugar: início de junho e início de outubro


Por favor, não levem este ranking à risca, o fator sorte, mudanças climáticas e situações atípicas também devem ser considerados. Enfim, tudo pode acontecer, vale até a dança da neve e apelos a São Pedro, rss.


Quem virá passar férias em Barliloche, não deixe de me enviar um email a sabrinapoinho@gmail.com, solicitando receber mais adiante as novidades para a próxima temporada de inverno e as promoções dos passeios da agência onde eu trabalho. Qualquer dúvida ou consulta é só me escrever também!


Até a próxima postagem e ótima semana!





quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Pacotes a Bariloche: Em quais casos não é cobrado os 25 % do imposto IRRF na sua viagem?




O Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) que começou a ser cobrado desde o dia 1° de janeiro, está preocupando os turistas que viajarão ao exterior. Para aquelas pessoas que viajarão a Bariloche ou a outros destinos internacionais, não entrem em desespero, o imposto de 25 % somente será cobrado ao comprar um pacote diretamente numa agência de turismo aí no Brasil. Isto quer dizer que se você comprar a sua viagem diretamente com uma empresa local do país visitado usando o seu cartão de crédito ou pagando em dinheiro quando chegar, não terá que pagar este imposto. Não paga também quem comprar um pacote de hotel e passagem pela internet usando o cartão, em páginas como booking e decolar, por exemplo. Nem sequer os gastos de alimentação e demais consumos no país visitado sofrem com este imposto. O único imposto cobrado no caso do uso do cartão ou saque no exterior  é o IOF de 6,38 %. 

Vale esclarecer que aquelas pessoas que desejam fazer intercâmbio, devem viajar a congressos, enfim, se a sua viagem tiver um fim educativo, profissional ou cultural, a agência que te venderá a viagem não te cobrará este imposto.

No caso de Bariloche, ou da Argentina de um modo geral, o que mais fará o seu dinheiro render é o velho método do porquinho, ir juntando dinheiro em espécie para trazer, seja reais ou dólares (de preferência em notas altas). Claro, não é a maneira mais cômoda e segura viajar com dinheiro, mas para os gastos locais na Argentina é o que mais compensa. Aqui em Bariloche em muitos comércios, são brindados descontos para pagamento em dinheiro. Sem falar que o câmbio paralelo ou informal ainda está sendo muito usado e geralmente paga um pouco mais pelo seu real ou dólar que a casa de câmbio ou  banco, apesar de ter diminuído a diferença.

Aproveito para passar o link de uma página aqui da Argentinade economia para que possam acompanhar como está o câmbio oficial e informal: veja aqui.

Os dirigentes das agências de viagens no Brasil estão tentando negociar com o governo para que o IRRF seja diminuído e com muita razão, porque no final das contas os mais prejudicados foram as mesmas agências que vendem pacotes internacionais. Realmente se esta situação seguir, provavelmente serão muitas as operadoras turísticas que irão falir e será grande o desemprego no setor, mas por outro lado, o turismo interno no Brasil provavelmente sofrerá um crescimento, o mesmo aconteceu na Argentina anos atrás.

Lembrando que depois do verão, estaremos divulgando pacotes promocionais de passeios para a próxima temporada de inverno em Bariloche para quem desejar pagar no cartão. A agência Bariloche Select Travel, onde eu trabalho, possui sede em Bariloche e neste caso, quem contratar os nossos serviços não pagará este imposto de 25%. Independente da cobrança deste imposto de 25 % pelas agências de viagens no Brasil, mesmo antes desta medida, comprar um passeio ou atividade feita no exterior através de um intermediário aí no Brasil geralmente custa mais do que contratar diretamente no destino. 





Para quem desejar receber mais adiante as novidades de inverno por email ou marcar um horário na agência para organizar um roteiro em Bariloche, é só enviar um email a sabrinapoinho@gmail.com


Até a próxima!




segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Quais são as informações mais buscadas pelos brasileiros sobre Bariloche?

Boa tarde!

Hoje o blog está completando 2 anos e a cada dia que passa, graças ao incentivo dos leitores e clientes, me motivo cada vez mais para seguir escrevendo sobre esta bela cidade. Muito obrigada  pelo carinho e pelas mensagens! Hoje brindo por todos vocês!




Como podem observar, não sou nenhuma especialista em informática e nem sou escritora, rsss, mas creio que o conteúdo desta página é bem informativo e útil para aquelas pessoas que queiram conhecer Bariloche. As publicações estão baseadas nas principais dúvidas que possuem os turistas brasileiros e também a intenção é dar a conhecer outras coisas da cidade que não são tão tradicionais, por exemplo, que a cidade é linda também para ser conhecida no verão.

Para ajudar aos futuros turistas de Bariloche a organizarem as suas viagens, a idéia desta postagem será fazer uma retrospectiva das postagens mais lidas nestes dois anos e colocar alguns comentários atuais. Todas elas foram escritas por mim baseadas nas principais dúvidas dos brasileiros que diariamente me enviam emails e comentários.

Então, vamos tirar as principais dúvidas sobre Bariloche?

Qual roupa levar no inverno em Bariloche e onde alugar?



Postagens deste blog para encontrar esta informação:


Comentários atuais: Provavelmente o aluguel da roupa deverá estar custando me média entre 200 e 250 pesos por dia e por pessoa na próxima temporada. Estamos negociando com uma loja uma tarifa promocional para os clientes da agência Bariloche Select Travel.

Quanto eu levo para gastar e qual moeda devo levar a Bariloche?







Comentários atuais: O câmbio oficial e o paralelo estão quase equiparados na Argentina, igualmente segue compensando trazer reais e dólares em notas altas para trocar aqui mesmo na Argentina, não compensa comprar pesos no Brasil. Também muitos lugares aceitam diretamente pagamento em reais e dólares, nos comércios e restaurantes mais turísticos. Trazer dólares ou reais é quase o mesmo, mas o dólar continua sendo a moeda mais aceitada de um modo geral aqui na Argentina.

Com relação aos gastos, eu não posso saber quanto exatamente você deseja e poderá gastar na sua viagem, esta resposta não é padronizada. As postagens escritas neste blog somente servem para dar uma leve noção de gastos, sem contar que qualquer previsão para meses depois é complicada na Argentina, devido à inflação e a instabilidade econômica.


Qual hotel em Bariloche você me recomenda?




Postagens deste blog para encontrar esta informação:


Comentários atuais: Como gosto não se discute e cada pessoa tem o seu, não costumo recomendar nenhum hotel específico, até porque nunca me hospedei em nenhum hotel em Bariloche para conhecer a fundo o serviço oferecido. Para saber qual hotel reservar, é importante pesquisar bem os valores e ler várias opiniões em diferentes páginas da internet (booking, trip advisor, etc). A pessoa que te vende um pacote no Brasil geralmente não conhece o hotel que está vendendo, mas sabe que tem que te vender o mesmo, portanto, cuidado com as recomendações, sempre investigue um pouco mais sobre o que estão te oferecendo.


Vai nevar em tal dia? Qual o melhor mês para pegar neve?



Postagens deste blog para encontrar esta informação:


Comentários atuais: Com as mudanças climáticas a nível mundial, o que seria normal em cada estação vem sofrendo situações atípicas. A única previsão mais ou menos válida para saber se vai nevar seria com no máximo 10 dias de antecedência, com meses de antecedência é impossível. No próximo inverno pode ser que tenha mais neve em julho ou agosto, não tem como saber agora o que ocorrerá. No início de junho geralmente chove mais e se iniciam as nevadas e o processo de acumulação nas montanhas, no final de junho talvez já tenha alguma estação invernal aberta. Em setembro ainda tem neve acumulada nas montanhas para realizar atividades, mas em menor quantidade, principalmente mais para o final deste mês. Se você viajar a Bariloche em junho ou no final de setembro ou na primeira semana de outubro, é bom estar consciente de que muitas atividades de neve podem não ser realizadas. Se a sua prioridade for ver neve, venha em julho ou agosto.


Quais passeios você me recomenda fazer?



Postagens deste blog para encontrar esta informação:



Comentários atuais: Os passeios mais recomendados para realizar no inverno são: tour ao Circuito Chico, Cerro Catedral (meio dia para passear ou passar o dia todo para esquiar), Villa La Angostura e Cerro Bayo, caminhada com raquetes no Cerro Lopez (Roca Negra), “Noche Nórdica” (passeio noturno onde se dirige um quadriciclo especial de neve e jantar completo) ou circuito diurno de quadriciclos, ski nórdico, caminhada a lagoa congelada ou Vivencias do Espacio Neumeyer (Valle del Challhuco), a navegação a Isla Victoria e Bosque de Arrayanes eo ski bunda em “Piedras Blancas”. Dependendo do seu perfil, também recomendo outras opções de atividades de aventura, que são realizadas também no inverno: a tradicional cavalgada com churrasco dos Baqueanos e o Canopy (tirolesa). O passeio à confeitaria giratória do Cerro Otto poderá ser realizado de maneira independente, a empresa do Teleférico Otto oferece ônibus gratuito de ida e volta desde o centro aos clientes que compram o ticket nas cabanas da Rua Mitre quase na esquina da Rua Villegas e início da Rua San Martin (atrás do jardim do Centro Civico).
Passeios para serem feitos fora do inverno: Circuito Chico com subida ao Cerro Campanario (onde tem mirantes e confeitaria), Confeitaria giratória do Cerro otto, Cerro Catedral, onde poderia subir por um teleférico desde a base para chegar ao cume da montanha, onde tem mirantes e restaurantes. Também poderiam fazer uma navegação à Ilha Victoria e Bosque de Arrayanes ou a Puerto Blest, Vulcão Tronador, San Martin de Los Andes ou Circuito Grande e El Bolson. Também é possível fazer atividades como cavalgada, tirolesa (canopy), rafting, bicicleta, andar de veleiro e caiaque.

Perguntas e respostas rápidas sobre as principais dúvidas para organizar a sua viagem a Bariloche



Postagens deste blog para encontrar esta informação:



Comentários atuais: Atualmente estamos em plena temporada de verão e depois desta estação, estaremos iniciando os preparativos para a temporada de inverno deste ano, com muitas novidades sobre os passeios e reservas. Estarei divulgando tudo através do meu blog. Provavelmente estaremos realizando reservas antecipadas dos passeios a valores promocionais, mas no momento certo estarei anunciando e enviando aos meus contatos, para receber estas informações é só enviar um email a sabrinapoinho@gmail.com


Quais restaurantes em Bariloche você me recomenda?



Postagens deste blog para encontrar esta informação:



Comentários atuais: Atualmente os meus restaurantes preferidos de carne são o Alto El Fuego, o Salamandra e o Boliche de Alberto. Os residentes de Bariloche também freqüentam muito o El Galpon de Salo para comer carne, esta é uma opção também interessante e mais econômica. Também gosto de comer massa no I’Italiano e no Di Como, o Boliche de Alberto de massas também é uma boa opção e não é caro. As pizzas do Girula são uma das minhas favoritas, mas também gosto muito de ir ao La Pinta, que tem pizza feita na “parrilla”. O restaurante Kostelo é bem interessante também, está no centro e de frente para o lago. O meu prato favorito aí é a truta (Trucha Del Nahuel). Para tomar uma cervejinha artesanal tem muitas opções em Bariloche, geralmente vou a Manush, que está sempre cheia. O restaurante Família Weiss é uma opção para quem gosta de conhecer lugares tradicionais e estar em um ambiente com uma decoração típica de Bariloche.

Mais uma vez, muito obrigada a todas aquelas pessoas que acompanham o blog e a todos que confiam no meu trabalho, espero que de alguma maneira esta página e o meu atendimento possa ajudá-los a organizar a viagem e a passar dias inesquecíveis neste paraíso, que é um dos destinos de inverno mais queridos e preferidos pelos brasileiros.




Aguardem as novidades e se estiverem programando uma viagem a Bariloche, não deixem de entrar em contato, o meu email é sabrinapoinho@gmail.com


Uma ótima semana e espero por vocês!