quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Qual moeda levar a Bariloche com a desvalorização do real?

Imagen: Fotos Digitales Gratis


O Brasil está vivendo tempos de crise econômica e política e isto afeta diretamente a que o real tenha sofrido uma desvalorização com a alta do dólar, o que pesa no bolso de quem pretende viajar ao exterior. Uma das perguntas que as pessoas que entram em contato comigo mais fazem é qual moeda levar na viagem a Bariloche.  O que compensa mais, trazer reais ou dólares para trocar em Bariloche?

Apesar da queda do real, a existência do câmbio paralelo na Argentina (conhecido como câmbio blue), segue favorecendo aos turistas brasileiros, apesar de favorecer bem menos que o ano passado e o poder de compra ter diminuído.

Pelo menos nos últimos meses, trazer dólar (em notas altas) tem compensado um pouquinho mais que o real, apesar do valor para comprar dólar está nas alturas. É estranho pensar que as notas altas de dólares (de 100 ou 50) são mais valorizadas, mas no paralelo comprar notas altas significa ter menos volume, uma razão para valer mais, não me perguntem o porquê. Ou seja, quando comprarem dólares para trazer a Argentina, evitem as notas de 10 ou 20 dólares, porque te pagarão menos por elas no câmbio blue. Vale ressaltar que também não compensa comprar pesos no Brasil e nem usar o cartão de crédito na Argentina (pela conversão ao câmbio oficial e o IOF), vale lembrar que os travellers cards também são poucos usados. Se desejar realizar saques de dinheiro no exterior, a conversão também será ao câmbio oficial e se paga imposto.

Com a desvalorização do real, a aceitação desta moeda abaixou e gera algo de insegurança por parte dos argentinos, mas igualmente ainda é aceita em muitos lugares e é possível trocar no paralelo, que paga em média pelo menos uns 50 % mais do que no câmbio oficial. Apesar de o câmbio paralelo favorecer bem mais, somente troque em lugares recomendados para não correr o risco de adquirir notas falsas, principalmente em Buenos Aires, onde a cotação geralmente é melhor que em Bariloche, mas por outro lado, o risco é maior. Os valores que pagam nas “ruas” não é o mesmo que está estipulado em várias páginas na internet, é sempre mais baixo e a cotação varia em diferentes lugares.

Os taxistas na Argentina, principalmente os que estão no aeroporto, geralmente aceitam moedas estrangeiras, mas a um câmbio inferior ao que se paga em diferentes lugares na cidade,  se aproveitam das pessoas que chegam e não querem trocar no aeroporto, que creio ser o pior lugar para realizar câmbios de moedas.

Por falar em câmbio, gostaria de deixar registrado que não estou de acordo como as empresas que trabalham com turismo na Argentina e exigem que os brasileiros paguem uma tarifa em dólares, seja do que for, sendo que a moeda local é o peso. O correto seria estipular uma tarifa fixa em pesos e a decisão de pagar em dólares ou não, seja do turista, se o mesmo considerar que o câmbio estipulado é justo. Como exemplo, não em Bariloche, podemos citar alguns shows de tango com jantar em Buenos Aires, alguns chegam a cobrar até 300 dólares por pessoa.

Resumindo a história, por enquanto o ideal seria trazer dólares em notas altas a Bariloche, mas trazer reais também não está mal. Pode ser que esta situação nos próximos meses mude ou se confirme mais ainda. Se a tendência do dólar é seguir subindo, creio que quem já comprou ou está comprando dólar para viajar e caso o mesmo sobre depois da viagem, o melhor seria guardar esta moeda como maneira de economizar, se a tendência seguir sendo a desvalorização do real. Bom, esta é uma opinião minha, que não sou especialista no assunto de economia, o que posso recomendar é que busquem ler e acompanhar sobre o assunto diariamente em páginas que não sejam tendenciosas.

Deixando um pouco a economia de lado e mudando de assunto, gostaria de comentar para aquelas pessoas que estão por chegar a Bariloche, que desejam ser orientadas sobre os passeios e tirar todas as dúvidas pessoalmente comigo na agência a partir de outubro, basta enviar um email a sabrinapoinho@gmail.com para marcarmos um horário de encontro na Bariloche Select Travel, que está na Rua Villegas 237. Como sempre, é um prazer poder receber aos meus compatriotas em Bariloche para brindar a melhor orientação sobre o que poderiam fazer na cidade, de acordo ao perfil de cada pessoa. É sempre melhor conversar pessoalmente para organizar um roteiro definitivo, principalmente no início de primavera, onde quase já se terminam as atividades de neve, mas por outro lado tem muitos outros passeios a realizar.


Espero por vocês em Bariloche e feliz primavera!


Foto: Emprotur



quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Dia 9 de setembro: Bariloche amanheceu pintada de Branco!

Bom dia queridos leitores,

Estamos no final do inverno, mas para a alegria dos turistas que chegaram nesta semana a Bariloche, hoje a cidade amanheceu nevada. Uma linda surpresa, já que não é comum que neve na cidade como acontece nas montanhas, ainda mais em setembro.


Foto da janela do meu apartamento no centro


Indo para o trabalho


Passando pela Porta da Catedral da cidade


A previsão é de que ocorram novas nevadas até sexta, o que é muito positivo para manter as atividades de inverno, que dependem muito das condições climáticas.

Aproveito para comentar que algumas das atividades e passeios de inverno abaixaram as tarifas para setembro:

Noche Nordica: de 2350, passou a 1980 pesos

El Refugio Arelauquen: de 2500, passou a 2000 pesos

Roca Negra: de 1400, passou a 1000 pesos

Espacio Neumeyer: de 1500, passou a 1200 pesos

Piedras Blancas: de 470, passou a 390 pesos

Aula coletiva de ski e equipamento: de 540, passou a 450 pesos

Para ver as tarifas atualizadas dos passeios em Bariloche, clique aqui.


Base do Cerro Catedral, hoje (Foto: Catedral Alta patagonia)


Para quem estará chegando a Bariloche, será um prazer recebê-los pessoalmente na agência para brindar o melhor assessoramento, para que a sua estadia em Bariloche seja inesquecível!


Que tenham um lindo dia!